sábado, 30 de janeiro de 2010

De casa ás costas

Mais outra batalha que saiu derrotado
Armei-me em herói e saí um guerrilheiro falhado
Sem medalha de ouro, de mérito ou consideração
A única recordação foi um simples não
Eu sei que já devia estar sedado para este tipo de situação
mas pelos vistos ainda sou ingénuo por insistir, então

porque o fiz? porque não o haveria de fazer?
Se sinto algo no peito que me diz que não era apenas lazer
Não...nunca fui muito disso
E se o fiz com alguém não estava no meu consciente juízo

Peço desculpa a todos que magoei
Sei que se o fiz, logo a seguir tropecei
Sim...só pode ser castigo divino
De passar por tanta merda nesta vida e continuar verde como um pepino

Com sentimentos, não sou bom a lidar com eles
E no momento da verdade apenas babo como camelos
Ya..estático e nervoso
mas não sou de usar isso como desculpa para sempre ter sido merdoso

Sempre fui, mas nunca o quis admitir
Porque da-me mais motivos para desistir
De novo? Ya..racional demais para achar a vida essencial
Eu achava quando era pequeno
mas agressões e ameaças fizeram-me ver que sou o meu próprio veneno

Bondoso quando posso
mas na maioria das vezes gosto de causar destroços
Em tudo e todos como se fosse um terramoto
Sou calmo mas se me picares transformo-te a cabeça no haiti
E tu só perguntas : como consegues ser assim?

Eu digo que a puta da vida
Já me traia no dia do primeiro encontro enquanto se atirava a mim
Apesar disso não ser motivo para castigar
Eu castigo porque tenho lições para dar

Todavia nem sei se depois as dei
porque não tenho a qualidade de profeta de Keidje Lima
nem sou Messias, nem sou Gandhi
porque em vez de enfrentar os meus demónios eu só enfrento uma garrafa de brandi

Se me perguntassem se escolhia a minha vida de novo?
Eu diria SIM, só mudava o ponto de vista das coisas que via
e analisar de maneira diferente
não consigo, porque já tentei e desisti de lutar
porque a partir de hoje o meu coração é sem abrigo...

Crustas.
www.myspace.com/crustasbm

domingo, 17 de janeiro de 2010

Perdi o mapa

Caminho sem saber para onde me dirijo
Tento parecer confiante e forte como se fosse o mais rijo
Mas a realidade é que sou uma pena de cegonha
frágil, delicada e sempre com muita vergonha

De agir e tomar decisões importantes
Que impliquem aprovação de alguém que para mim tem de ser importante
Caso contrario nem sequer avançava
Medo de cair torna-me uma pessoa macabra

Que no fundo todos que conhecem temem pela sua integridade
Muito violento e vingativo, mas sem pinga de maldade
Eu só queria amar e ser amado
Mas amor deixa-me nu, como se fosse sempre eu o derrotado

Devia tentar mudar isto
a minha maneira de ser
Mas sentimentos mistos
Tiram-me a força para vencer

Já venci
já amei
já cai
já me levantei

Mas sempre mais frágil que antes
e mais forte amanha
E sempre que me levanto só rezo para que me mantenha assim para sempre
E para que um dia já não seja considerado mais um doente

Que não ultrapassa tristeza nem esta visão do mundo
E que não veja a vida como apenas um período
Sem significado e inútil
ou então como um percurso onde somos mutilados

até deixarmos de conseguir andar
Se isso é a vida, então é como uma ponte que acaba no mar
Então eu apenas pergunto..porque é que me fizeste começar...esta caminhada
Sei que não me vais dar resposta e isso faz de mim uma pessoa frustrada.

Crustas.
www.myspace.com/crustasbm

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Cigarro a cigarro

A minha vida é como um cigarro
quanto mais o fumo mais fraco me sinto
a minha vida é como um Ventil
é curto, intenso e vil

A minha vida é como um cigarro
quanto maior o stress mais rápido acaba
A minha vida é como um cigarro
e cada bafo é uma depressão inacabada

Às vezes dou bafos maiores
outras simplesmente deixo-o queimar e aproveito o momento
Hoje olhei para o infinito
e percebi o nada que sou entre todos estes seres

A minha vida é como um cigarro
e hoje fumei o ultimo bocado.

Crustas.
www.myspace.com/crustasbm